Ferramentas Pessoais
Você está aqui: Página Inicial Verso e prosa Poesia Plenilúnio lusitano

Plenilúnio lusitano

PLENILÚNIO LUSITANO

 

Lua antiga que estás no céu

- hóstia fria

em que a borda destacada

mendiga e entrega um prazer profano -

desces lasciva pela garganta,

gelo imprevisto que escorre língua abaixo.

Paras agora bem ali antes do esôfago

e assim consomes minha respiração...

Sinto-te ali, lua,

a criogenizar minhas fracas cordas vocais

e impregnar teu sabor em minha boca

qual mil ostras

arrancadas de seus leitos nacarados.

De que te adianta, se podes estar no céu,

habitar minhas entranhas estéreis de estrelas?

Como te basta, lua louca,

iluminar essa minha boca sem céu?

Sinto-te gélida e confinada queimando-me por dentro

quando podias crescer em quartos infinitos,

murchar só para nascer nova, imperceptível,

e cegar os amantes que te vejam prenhe.

Clara lua, lua errante,

se a tua sina é estar no alto

onde te cabe o papel principal,

não podes de fato estar aqui embaixo

a revestir-me as mucosas com prata...

Mas se o acaso te entreteve dentro em mim,

não te detenhas, já que és astro por vagar.

Brilha forte, lua, brilha muito!

Iça meus sonhos e delírios para cima

onde eles possam mais sonhar e delirar...

Em noites tardias, por sua causa agora insones,

meu lado alado,

eu te olharei a ver-me inteira, mesmo cindida,

daqui da terra que pôs raízes em meus pés.

 

Ações do documento
« Dezembro 2017 »
Dezembro
DoSeTeQuQuSeSa
12
3456789
10111213141516
17181920212223
24252627282930
31