Você está aqui: Página Inicial Verso e prosa Poesia Embaraços

Embaraços

EMBARAÇOS

 

Na renda dos teus pelos

Fiz um ninho frágil

azul-etéreo

elétrico passageiro

e passeei enquanto pude

pelos fios

Depois fiquei

sem gemer o momento

nem chorar o vazio

velha e só

com a face lisa

e o peito inchado de tanta coisa

que não pedi ou ganhei

Na mão dobrada,

um maço do teu cabelo

único bem por herança

dos embaraços da vida

 

Ações do documento
« Novembro 2019 »
Novembro
DoSeTeQuQuSeSa
12
3456789
10111213141516
17181920212223
24252627282930