Você está aqui: Página Inicial Verso e prosa Poesia Dose diária

Dose diária

DOSE DIÁRIA

Vem, dose diária desse delírio, vem
degrau meu da degradação,
boca fincada voraz em meu mamilo
e marca essa minha pele com dedos de todas as tuas mãos.
Vai, pimenta de cheiro
que arde e deleita minha língua
Vai só um pouco. Volta
e adultera minha decência
deixa nua minha vergonha
A veia está exposta
para a gota do seu veneno hoje
E espero. Sempre úmida, sempre
Sem fôlego, sem álibi. E sem vaselina.

Ações do documento
« Novembro 2019 »
Novembro
DoSeTeQuQuSeSa
12
3456789
10111213141516
17181920212223
24252627282930